quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Ilha da Queimada Grande - Paraíso Proibido

Ilha da Queimada Grande
Imagine uma área paradisíaca a 32 Km da costa de São Paulo, com 430 mil m² de mata atlântica preservada,de águas cristalinas de tal forma que se pode observar até 30, 40 metros de profundidade... Ficou com vontade de conhecer? Pois é, o que poderia a princípio parecer um atrativo e tanto para os  aventureiros de plantão simplesmente não é por um elemento: sua simpática população de jararacas-ilhoa. A Ilha possui simplesmente a maior concentração de serpentes por metro quadrado do mundo! Por isso, somente pessoal da Marinha e investigadores especializados estão habilitados a permanecer nesse lugar.

Biíííta!!

A jararaca ilhoa (Bothrops insularis), é uma espécie peculiar de serpente, por viver completamente isolada em um local com pouca disponibilidade de alimento, ela desenvolveu uma série de adaptações para sobreviver a esse ambiente, uma delas é o seu poderosíssimo veneno, muito mais forte que as jararacas que vivem no continente, pode matar uma pessoa em aproximadamente duas horas; além disso, ela é excelente em subir arvores para apanhar aves, ou para comer seus ovos.
Segundo a revista Ciência Hoje, um modelo para explicar a diferenciação entre a jararaca-ilhoa e a do continente é a especiação alopátrica. Segundo esse modelo, duas populações separadas por alguma barreira geográfica podem sofrer diferenciação ao longo do tempo, tornando-se espécies distintas. Um cenário desse tipo pode ter dado origem à jararaca-ilhoa. O nível do mar sofreu oscilações no período Quaternário, criando em vários momentos passagens secas entre a ilha e o continente.Possivelmente, em um desses momentos havia apenas uma espécie ancestral de jararaca. Com a elevação do nível do mar, uma população teria ficado isolada na ilha, diferenciando-se na jararaca-ilhoa, e a população restante teria originado a espécie do continente.
É, caro carcaránauta, para casos assim é sempre bom apelar para a boa e velha sabedoria pagodística que diz:"não vá que é barril"! Até a próxima

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Eletricidade sem fio, realidade concreta

Quem nunca reclamou de tantos fios em casa??...tanta tomada e quando você precisa recarregar algum aparelho portátil as vezes falta tomada devido a tantos outros aparelhos sendo usados.
A eletricidade sem fio não é coisa nova, advem de Nicola Tesla e o mesmo propôs a teorias de transmissão sem fio de energia no fim dos anos 1800 e começo dos anos 1900. Uma de suas demonstrações energizava remotamente lâmpadas no chão de sua estação de experimentos em Colorado Springs.Para mais informações segue um link de um site que costumo visitar quase sempre.Troféu joinha para esse site.
http://ciencia.hsw.uol.com.br/eletricidade-sem-fio.htm
Bem voltando ao assunto, esse tipo de eletricidade não possui nenhum dano a saúde das pessoas próximos a tais objetos, o conceito dessa energia se baseia na ressonância, algo muito simples de acreditar.Mas porque não utilizamos esse tipo de tecnologia ao invés das enormes construções e fios de alta tensão que percorrem estados e paises?
Acredito eu que a eletricidade é um comércio, há lucro, existem empresas que investem e lucram com a distribução da eletricidade, se uma criança ou um adulto de mente fértil ao ler esse post deve imaginar um grande número de cédulas ou cifrões correndo por cabos e fios dos postes até chegar em sua casa.Também existem empresas de baterias, essas lucram bilhões pelo mundo, a duracell principalmente, imaginem se eles iriam concordar com tal tecnologia?. é óbvio que não, mas o futuro é evolução, não só do homem mas das coisas, do espaço e da tecnologia, agora veremos que empresa corajosa enfrentará as milhares empresas de energia e de baterias.

Eu recomendo que assistam esse video, ele mostra de forma simples e clara o conceito dessa tecnologia no nosso dia dia.

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Por que sou a favor das cotas para negros na Universidade pública

É com muita satisfação que abro espaço nesse blog para a nossa colaboradora, a pedagoga Diane Menezes, tratando da polêmica sobre as cotas para negros na universidade pública:

Começo a problematizar a questão das cotas a partir do conceito de raça que me proponho, pois tem caído na boca do povo, afirmações do tipo: “a raça é humana” , “são os próprios negros que se discriminam”, “como ficam os pobres brancos que estudam em escola pública, eles também não tem direito de serem beneficiados pelas cotas?”, ou ainda “para entrar na universidade basta apenas estudar, o mérito está no esforço de cada um”. Primeiro, raça é entendida aqui enquanto construção social, isto é, uma invenção humana e por isso permeada por relações de poder. É desse ponto de vista que se afirma “eu sou negra ou negro”. Isto não quer dizer que invalido a afirmação de que somos humanos, apenas reitero que a diferença é intrínseca a nossa identidade e que esta demarcou e demarca a nossa constituição enquanto ser humano. Segundo, se afirmo que sou negra, não estou de modo algum “criando divisões”, afinal somos mestiços, não é assim que preferimos acreditar em prol de um mundo pacífico, como tão bem disseminou nosso queridíssimo Gilberto Freyre? Me diga porque, não podemos nos identificar como negros para reclamar a nossa existência e direito de adentrar a universidade, que há tempos esteve restrita a elite branca? Ah... quer dizer que para justificar a mão de obra escrava, o dom para a cozinha e serviços de limpeza nas casas de família, na incapacidade de assumir um papel novelesco de protagonista é possível afirmar que sou negra? Ao contrário do que pensam, não nos discriminamos ou idealizamos preconceito, apenas dizemos que nosso pertencimento étnico-racial, entendido como diferença, é motivo para nos situar em lugares determinados no mercado de trabalho. Até quando, vamos continuar achando que não estamos no curso de medicina ou de direito porque só sabemos “tocar berimbau”? Terceiro, a desigualdade tem cor sim, o estudante branco pobre, ainda consegue vaga de emprego nas grandes lojas dos shoppings centers, afinal o seu perfil atende os requisitos da empresa, o que não vale para os “[...] assim, tão afrodescendentes”, como se desculpou ainda esta semana as personagens Beatriz e Sofia na novela global das seis. O que não é social? Já questionou o prof° Kabenguele Munanga. Não entramos na universidade pública porque nos falta mérito, mas oportunidades. Há estudiosos que afirmam com ar de sabedoria na grande mídia: “É preciso melhorar a qualidade da escola pública, para que todos concorram de forma leal a vaga que almeja para seu futuro.” Tá bom, vou sentar e esperar a escola pública melhorar para estudar e entrar na universidade. Enquanto isso, o que me resta é contentar com o emprego que tenho, se é que tenho, seja como operário de construção civil, no papel de empregada doméstica, ou no tão em voga atualmente, sobretudo entre os jovens negros baianos, operador de telemarketing, não desmerecendo nenhuma das profissões. Fui cotista na UNEB, entrei por mérito também, sobrevivi, hoje sou pedagoga e modéstia a parte ótima aluna.

Por Diane Menezes, pesquisadora do Programa Qualificando a Permanência de Estudantes Cotistas na UNEB, uma parceria UNEB/CEPAIA (Centro de Estudos dos Povos Afro-Índio-Americanos)/ SEPROMI (Secretaria de Promoção da Igualdade).

“[...] porque mulher negra tem que ter nome e sobrenome, senão o racismo e o sexismo põem o nome que quiser”, como diz a profª Vilma Reis.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Perrengues urbanos

Por Alex Garcia e Jeferson Santos

Recentemente eu postei nesse blog a força que move São Paulo. Os nordestinos são um povo batalhador e guerreiro, isso é indiscutível, porém eu foco o assunto de educação para os soteropolitanos. Não falo da educação formal, escolar, mas a educação de berço, aquela que nenhuma escola tem o dever de ensinar.
Essa minha indignação vem decorrente ao tumulto causado pelo jogo do Bahia no estádio de Pituaçu. Eu moro perto do estádio e fiquei revoltado como os baianos arranjam espaço aonde não existe ou não deve existir, os carros estacionavam na faixa exclusiva de ônibus na pista, em plena avenida Paralela, causando engarrafamento, porque os ônibus tinham que deixar suas faixas e ocupar as faixas dos carros, porém fiquei sabendo pelo rádio que depois a Transalvador rebocou todos eles, hehe. Para piorar as coisas, estava no ônibus voltando para casa, num engarrafamento que foi desde Ondina até o estádio de Pituaçu, passando praticamente 3 horas em pé, e me vem um tiozinho ligando um som numa rádio religiosa, era Jesus pra lá..Jesus pra cá, de repente um outro senhor liga seu rádio, vira uma disputa de Jesus e Bob Marley, Bob Marley perde para Jesus e entra Mariah Carey...putz....no final Jesus some, só fica a Mariah....EU NÃO SOU OBRIGADO A ESCUTAR O QUE O CARA QUER OUVIR!!!!!!!!!!! QUE DROGA!!!! O povo sai do trabalho estressado, cansado, só pensa em chegar em casa, tomar um banho, jantar e dormir, me vem esses dois senhores com disputa de som num ônibus lotado...Tenha dó.
Além do grande fluxo de veículos, que deixava o trânsito incrivelmente congestionado na Av. Paralela, muitos pedestres e torcedores cansados de esperar o sinal que só fecha para os automóveis uma vez na vida se arriscavam ao percorrer a pista, trazendo ainda mais transtornos... No final das contas,  eu tinha saido da faculdade quase 6 horas da tarde e cheguei em casa às 9 da noite.

Pitaco do Editor: É, meu caro Alex, também tive problemas parecidos pelo menos na Paralela. É realmente desalentador você querer chegar rápido em casa e se deparar com um congestionamento quilométrico. Cheguei, depois de muito tempo no terminal da Rodoviária e tive que pegar outro ônibus e qual foi a minha surpresa em me deparar com uma Av. ACM completamente livre... Acho que só o Bahia pra fazer essas coisas. No final das contas depois de atravessar rapidamente o Bairro de Brotas, só pra compensar meu lampejo de sorte, caiu o maior toró logo quando eu desci do ônibus e tive que esperar quase uma hora pra poder sair do lugar, mas mesmo assim, no final das contas cheguei bem mais cedo que você, chupa essa!!! 

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Acham que nordestino não faz nada

Eu li essa matéria e me veio diversos pensamentos, principalmente preconceituosos que o povo do sul e sudeste tem dos nordestinos, não só pela população que discrimina pela cor e atitude ou modo de ser, mas também as próprias mídias, principalmente a rede Globo, colocando em seus programas humoristicos o modo arrastado do baiano de falar (nem todo baiano fala assim) , a preguiça, a rede e água de coco, a má vontade de trabalhar, pois bem, essa matéria esclarece quem botou São Paulo de pé.
A proporção que os investimentos da construção civil e do varejo no Nordeste estão proporcionando à região, taxas de crescimento do emprego com carteira assinada maior que da média brasileira, também está tornando escassa a mão de obra em São Paulo. Das vagas criadas pelo setor de construção nos últimos 12 meses no país, mais de 34% estão nos estados nordestinos.
De acordo com o levantamento feito pela LCA Consultores, por encomenda da Agência Estado, das pelo menos 333 mil vagas formais criadas entre o mês julho de 2009 e 2010, mais de 114 mil foram geradas em Estados nordestinos, representando assim, mais de um terço do postos.
O economista Fábio Romão, da LCA, afirmou que os ganhos reais do salário mínimo e o crescimento do Nordeste "têm aumentado o dinamismo da economia local, reduzindo o fluxo de trabalhadores para outras regiões, aumentando os investimentos e ampliando a gama de oportunidades".
Enquanto o setor ampliou 16,6% as vagas formais em todo o país, só no Nordeste o crescimento chega a 30,5%.
Com o aumento dos investimentos no Nordeste nos últimos anos, organizações dos setores da construção civil e dos supermercados têm observado uma falta cada vez maior de mão de obra, principalmente em São Paulo.
O presidente da Associação Paulista de Supermercados (Apas), João Galassi, falou que o setor enfrenta dificuldades para preencher o aumento de 20% a 30% previstos para as vagas do final do ano.

Fonte:http://mikaelfernandes.blogspot.com/2010/09/crescimento-no-nordeste-diminui-mao-de.html

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

filmes que amamos - Indiana Jones, caçadores da arca perdida

os mortos que andam


CARA!!!!!!!!!!!!.....QUE COISA MAIS BIZARRA!!!!...*o*

Eu não sei se nosso amigo Jeferson vai gostar disso, já que ele é fissurado em filmes de zumbis. Eu fiquei assustado só de olhar a imagem.
Na Indonésia (especialmente em Toraja), um cadáver é acordado deixando-o que ande a pé até seu túmulo (é raro, mas ainda é realizado).
O cadáver é acordado usando magia negra. Isso é feito em Toraja porque as sepulturas/cemitérios são colocadas em montanhas calcárias (o que conserva melhor os corpos).
O corpo anda por si só, e é orientada por um especialista em magia negra que fica atrás dele. Mas existe uma proibição, o cadáver não deve ser nomeado. Uma vez que comandado o cadáver cai e não é capaz de andar novamente.

P.S: Eu não sei se é impressão minha, mas se vocês olharem a imagem, fica a sensação que o cadáver está olhando para a esquerda....

Fonte:http://desmorto.com/zumbi-de-verdade-na-indonesia/

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Carcarás na campanha contra a pedofilia!

as vezes nos sentimos assim....preso a algo ou a alguém



Certo dia descendo a ladeira do Cabula, em um daqueles engarrafamentos terríveis, deparei-me com um cachorro (do lado de fora, claro) cagando, derrelando, largando o barro, colocando a máquina de churros para funcionar, cortando o rabo do macaco, tirando o charuto do beiço, exercitando o esfincter, expulsando o argentino, fazendo o parto da sucuri, mandando um kamehameha, mandando um bbb pro paredão, passando um telegrama, fazendo a sessão do descarrego, enfim...defecando. Mais o que haveria de mais em um cachorro fazendo suas necessidades fisiológicas diárias? Nesse caso muita coisa! ELE ESTAVA LARGANDO O BARRO NO JARDIM DO STAND DE VENDAS DO CONDOMÍNIO HORTO BELA VISTA, bem em frente ao grande (e enorme) outdoor da campanha publicitária, com todas as vantagens de um condomínio completo: clube privativo, shopping, bosque, Fitness, Salões de jogos, cinema, escola, Espaço Zen, Espaço Gourmet, e mais um monte de frescuras aí pra aumentar o condomínio dos otários.
Enfim, passo todos os dias neste local (de ônibus, claro) e percebo os pobres trabalhadores babando e comentando aquela maravilha, aquela que será uma ilha de lazer, segurança, pessoas vips, shopping Center etc. Comentários maravilhados, sonhando em um dia pôr os pés ali, naquela ilha segregada do mundo exterior, longe dos pobres, principalmente.
Voltando ao vira-lata cagão: ele representou ali todos os pobres mortais que passam admirados todos os dias sabendo que nunca vão passar do portão (a não ser como diaristas, seguranças, etc). Tirando eu, CLARO! (Também sou pobre, mas não sou um ante-urbano, que sonha em morar em um monstro daqueles, isolado do mundo exterior). Mesmo assim aquela cena me deu uma alegria retada! Como diria nosso querido amigo Alex, TROFÉU JOINHA pro cachorro! hehehe



quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Brincando com o clima do mundo - Guerra Climática


O titulo é bem sugestivo e chama a atenção para o aquecimento global, o homem como causador da crise climática, mas esse título tem algo a mais, não é apenas a forma como o homem trata a natureza, principalmente com a poluição, mas a tecnologia por trás que o homem criou para mudar o clima. Não entendeu ainda?, pois bem, é a utilização de ondas ELF(ondas de baixa freqüência) na ionosfera para alterar o clima em qualquer parte do mundo.
Os Estados Unidos está com um projeto em andamento denominado (HAARP) em português: Programa de Investigação de Aurora Ativa de Alta Freqüência, que utilizam dessas freqüências, mas apenas como teste, porém eu fico imaginando, será que toda essa confusão do clima tem alguma coisa a ver com esses testes?.Os Estados Unidos possuem 3 desses aparelhos, a Rússia possui 1, assim como na União Européia , mais precisamente na Noruega.
Como funciona esse aparelho?
Na verdade são antenas que utilizam das ondas ELF, para empurrar a ionosfera, nisso, há mudanças das massas de ar alterando a corrente. Essas ondas também pode provocar terremotos, dependendo do local e do alcance da onda que a antena esteja, em caso de terrenos susceptíveis a terremotos ( instáveis). Vejam esse vídeo logo abaixo, mostra de forma detalhada todo o processo, com imagens e opiniões de cientistas.



Se voces se interessaram pelo post eu indico esse link http://www.realidadeoculta.com/haarp.html para todos entenderem melhor o que é o projeto HAARP (Se caso a gente não for pego pelo governo Norte Americano por expor tamanha tecnologia)

Ea guerra continua!

A tarde on line



javascript:void(0)
Publicar postagem

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Eco Faustão...Pela preservação da hipocrisia na TV nacional


Não costumo assistir o Programa Domingão do Faustão da rede globo, mas sempre que resolvo assistir eu tomo algum susto...e olhe que nem tô falando dos quadros besteiróis, das blusas ridículas que ele veste ou com a forma de funil que ele assumiu ultimamente.
No programa de hoje (12/09) pude ter ampliada a minha noção sobre até que ponto chega a hipocrisia da TV nacional, a que vive do consumo, claro. E não falo só de Faustão, mas de vários programas que tem por aí, como Ana Maria BrEga (opa!) e companhia limitada. A Rede Globo está com uma campanha denominada de “Campanha Global de liderança climática 2020” para conscientizar os telespectadores a frear o aquecimento global. Tipo: “Não use sacolinhas plásticas” ou “desligue as torneiras quando escovar os dentes”, coisa e tal, como se fossemos nós os maiores culpados pelo aquecimento global, e não as grandes empresas que vivem do consumo (do planeta) de forma direta ou indireta, como a do Plim Plim.
Voltando ao Domingão...no meio do programa deste domingo o apresentador gordinho (agora só da cintura pra cima) surpreende seus telespectadores com singelas perguntas como: Vocês sabem quantos litros de água cada um gasta por dia? Ou: Vocês sabem quantos anos uma fralda descartável demora pra se decompor na natureza? Haaa do domingão... vai &%$@#!!! Como é que um cara que ganha um salário de cinco milhões mensais pagas para apresentar um programa que vive de publicidade voltada ao incentivo do consumismo fútil, acha que tem moral pra pedir para o pobre telespectador cuidar do planeta?!!! Pelo amor de JAH! E é um tal de compre isso, compre aquilo, pague com cartão tal, e depois vem com “vamos cuidar do planeta” ... %$#@!! isso é revoltante!
Licença, depois dessa tenho que dormir pra me acalmar...

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Água em pó já existe

Meu Deus o que falta criar??????

Não é algo novo, foi descoberta em 1968, mas só agora foi demonstrado sua grande utilidade e seu incrível potencial para combater o aquecimento global.

A água seca na realidade é formada por partículas que contém uma gota de água minúscula rodeada de uma nano capa de sílica hidrofóbica. Assim como um bolo, onde o recheio seria a água e a massa, que dá a consistência, seria a sílica (que é praticamente areia). O resultado desta metáfora gastronômica é um composto com aspecto muito similar a da farinha, tanto na cor como na textura.
A água seca possui a propriedade de absorver e reter até três vezes mais dióxido de carbono que a água comum.

Também, foi encontrado outra propriedade deste composto que consiste em sua capacidade de ser usada como depósito de gases. Estas características da água seca a postulam como um agente benéfico para a luta contra o aquecimento global, além de ser um interessante meio de estudar o armazenamento de gases.

A água seca mostra uma última propriedade que favorecerá a indústria por causa da energia que poderá ser poupada na fabricação de centenas de produtos de consumo. Se trata de sua capacidade de atuar como catalizador na reação entre o hidrogênio e o ácido maleico. O que se obtém é o ácido succínico, um produto muito usado na indústria alimentícia e farmacêutica.

fonte:http://planetwtf.info/2010/09/01/a-agua-seca-o-invento-do-futuro/

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Crônicas do Salvador Card

Hoje fui carregar o meu Salvador-Card e como acontece todos os dias na unidade do Iguatemi, havia uma imensa fila que se estendia por muitos metros fora do estabelecimento. Entrei na fila e resolvi cronometrar o tempo que levaria até ser atendido, por incrível que pareça a fila fluiu muito bem, quem dera que a realidade nos bancos fosse assim... Enfim, no final das contas foram 10 minutos, mas poderia ter sido bem menos, por que realmente às vezes não levo sorte com fila. Dois casos problemáticos antes de mim me empataram um bocado, mas depois pude seguir meu caminho para a faculdade.
Diante desse quadro aparentemente favorável me pergunto por que será que mesmo com a presteza do atendimento existe muita reclamação com os serviços prestados por essa empresa? Posso citar três principais razões:
  • Existem poucas unidades de atendimento para atender ao município, no Iguatemi, na estação da Lapa e no Comércio, sendo que esta não funciona nos sábados, justamente um dos dias mais visados por quem quer recarregar seu cartão. Para atender melhor ao público, principalmente nos dramáticos episódios de revalidação de cartões, poderia haver postos nas outras estações de ônibus como Pirajá por exemplo.
  • A época de revalidação de cartões como já citada acima é quando o serviço realmente é digno de reclamações, perde-se muito tempo nas filas e chega a ser frustrante para o estudante ou responsável quando depois de ficar plantado por mais de uma hora na fila, recebe a notícia que a escola não mandou a lista de alunos que teriam cartão revalidado... É de matar!
  • A inflexibilidade do serviço pelo fato de ser estritamente presencial e aceitar somente forma de pagamento em dinheiro. Um exemplo oposto é o da TWB que opera o sistema do ferry-boat Salvador- Itaparica, onde o pagamento pode ser feito nos guichês, aceitando-se cartão de crédito ou via boleto bancário, sendo que nesta forma de pagamento os créditos não são imediatamente disponíveis. Acredito que o Salvador-Card optou por essa inflexibilidade visando justamente inibir situações irregulares, pois há uma fiscalização maior nos postos, permitindo somente o próprio titular ou parentes de primeiro grau carregarem o cartão.
E o que dizer do cartão avulso? Que seria um cartão onde qualquer usuário poderia comprar créditos para aproveitar a “integração” existente entre as linhas de ônibus que operam em Salvador. Não sei se é pelo fato dele ser vendido e creditado em diversos locais, como lotéricas e outros credenciados, mas foi justamente o guichê reservado a ele que estava às moscas no Salvador Card, reflexo da situação financeira da maioria da população ou descrença na integração dos transportes da cidade? Creio que um pouco de tudo isso.

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Caraca....a imortalidade existe!!!



Bem a imortalidade existe no meio ambiente, quem já disse que todos os seres vivos irão morrer, bem...pelo menos esse não
Ele chama Turritopsis Nutricula e é um hidro-zoário que quando atinge uma certa maturidade sexual se reverte ao estagio de pólipo.Não entendeu? Bem o animal se desenvolve, mas quando chega a certa idade ele volta para sua fase de pólipo, e assim sucessivamente.
Segundo os cientista ele é o único animal que é capaz de voltar para sua imaturidade sexual quando ele atingir sua maturidade sexual.
Parece mentira, mais os cientistas falaram que esse animal faz esse processo através de transdiferenciação.

fonte:http://gaiotos.blogspot.com/2010/08/o-unico-animal-imortal-do-mundo.html

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Sinto Raiva e fico triste ao mesmo tempo...pode isso???

Quando voces lerem esse post eu acho que sentirão esses dois sentimentos.

No dia 1º de setembro, uma vila no Japão de nome Taiji(com 3,5 mil habitantes), recomeçou a temporada de caça aos golfinhos.A foto logo abaixo divulgada pelo Instituto Sea Shepherd, mostra um barco de pescadores sobre a águas tingidas pelo vermelho vivo do sangue dos animais. A imagem foi fotografada em 2006.



O instituto lamentou o fato de a caça ter atraído este ano menos atenção da imprensa que em 2009.

Ric O'Barry, que treinou golfinhos para a série de tv Flipper, vai entregar na embaixada do Japão nos Estados Unidos um pedido com 1,7 milhão de assinatura para que a pesca seja proibida.

O documento The Cove, vencedor do Oscar, que mostrou a matança dos golfinhos na região, contribuiu para que a petição tivesse tantas adesões.

A população do local afirma que não deixará de matar os golfinhos porque faz parte de sua cultura pesqueira.

Fonte:http://e-paulopes.blogspot.com/2010/09/sangue-de-golfinhos-tinge-as-aguas-do.html

A forma maligna que essas pessoas realizam tal prática é associada a um assassino, os "pescadores"(se é que podemos dizer assim) atraem os golfinhos ou para o raso, perto da praia onde não tem como escapar, por estarem encalhados ou para um lugar onde não podem se dispersar como uma baía ou enseada, utilizando-se de redes,ganchos e pedaços de paus para matar suas vítimas.

sábado, 4 de setembro de 2010

“Malhação”: desconectada da realidade



Por Ale Rocha


Duas semanas após sua estreia, a nova temporada de “Malhação” dificilmente cumprirá o prometido. Com o objetivo de retratar as tensões entre jovens de diversas origens e classes sociais, a novela não escapa de sua sina: criar e exibir um universo paralelo, sem qualquer conexão com a realidade adolescente brasileira.

Nem mesmo a direção de núcleo do experiente Ricardo Waddington (“A Favorita”, “A Cura”) ou o roteiro de Emanuel Jacobina (“Coração de Estudante”) salvam “Malhação”. Antes da estreia da nova fase, Jacobina prometeu usar o conceito de “cidade partida”.

‘Malhação’ até agora vivia numa bolha em que periferia e centro não se encontravam”, declarou para o jornal Folha de S. Paulo. Para aproximar ricos e pobres, um concurso de bolsas de estudo leva ao colégio Primeira Opção alunos que pegam ônibus e trabalham para ajudar a família.

Até aqui, a nova temporada de “Malhação” falha em sua proposta de renovação e de um novo olhar sobre o cotidiano jovem. Afinal, apenas na novela global o subúrbio carioca é tão belo como a zona sul da cidade maravilhosa. No mundo onírico retratado em “Malhação”, o trem é limpo e vazio. No país em que jovens entre 15 e 24 anos são as principais vítimas de assassinatos, a grande angústia dos personagens é o próximo beijo ou uma maldadezinha contra um colega de colégio.

Aliás, por mais redundante que possa parecer, e realmente é, a novela consegue ser superficial até mesmo em sua superficialidade. O filtro moral presente na teledramaturgia brasileira surge com mão pesada em “Malhação”. Todo e qualquer conflito é descartável. Até mesmo assuntos triviais, como as paixões adolescentes, são tratados sem profundidade. Os personagens são tão rasos como um pires. Nem mesmo a eterna luta entre o bem e o mal é apresentada de forma satisfatória. Mocinhos e bandidos são caricatos e não convencem leitores mirins de contos de fadas.

Desde sua estreia na Globo, em 1995, “Malhação” já teve 18 temporadas. Ao longo deste tempo, apresentou – sim – bons momentos. Já abordou a gravidez na adolescência, Aids, bullying e outros temas contemporâneos. Contudo, a novela peca ao evitar a polêmica. “Malhação” não entra em bola dividida e parece ter uma única missão: moldar, desde logo cedo, o telespectador conservador que, futuramente, se sentirá horrorizado quando uma novela do horário nobre abordar temas como diversidade sexual, corrupção, drogas e infidelidade.

Inevitável comparar “Malhação” com as séries adolescentes. “Gossip Girl” está longe de mostrar o cotidiano da maioria dos jovens norte-americanos. Contudo, entre um exagero e outro, ela cumpre seu papel ao expor um universo muito particular e restrito: a alta sociedade nova-iorquina. O mesmo acontece na ensolarada “90210″. “Huge” e “The Secret Life of The American Teenager” acertam ao não temer assuntos contemporâneos e tocam em feridas como preconceito, obesidade e gravidez na adolescência.

Enquanto isso, “Malhação” prefere se abster da realidade. Nem mesmo a participação do combativo rapper MV Bill contribui para a novela se aproximar do cotidiano adolescente. Enquanto estiver no ar, “Malhação” dificilmente deixará de ser surreal e difícil de engolir.